Dia Internacional da Mulher: exames importantes para a vida delas

Especialista explica a importância dos exames femininos
Cuidados preventivos são a melhor forma de manter a saúde em dia. Por isso, visitar um ginecologista pelo menos uma vez por ano deve fazer parte da rotina de toda mulher depois da primeira menstruação. Para Yolanda Shrank, endocrinologista e integrante do corpo clínico do laboratório Bronstein, “além da consulta periódica, adotar hábitos saudáveis e manter os exames em dia é fundamental para proteger a saúde”. No Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, a médica lista os principais cuidados e exames que toda mulher deve fazer.
 Há alguns exames de rotina que devem marcar presença durante toda a vida da mulher: glicemia; colesterol total e frações; triglicerídeos; creatinina (avaliação da função renal); TGO e TGP (avaliação da função hepática); hemograma completo e exame de urina. Para gestantes, mulheres a partir dos 35 anos e aquelas com risco maior de disfunção tireoidiana, recomenda-se incluir a dosagem do TSH para o rastreio de disfunção tireoidiana.  “Independentemente da idade e do fato de a paciente ter vida sexual ativa ou não, a consulta rotineira ao ginecologista deve fazer parte da vida de todas as mulheres”, explica a dra. Yolanda.
De acordo com a médica, doenças relacionadas com o aparelho genital feminino ainda são o foco em mulheres com idade entre 30 e 40 anos. “Portanto, a realização periódica de exames como colpocitologia, colposcopia e ultrassonografia transvaginal/pélvica deve fazer parte da rotina dessas mulheres”, explica. O rastreamento do câncer de mama, principal causa de câncer no sexo feminino, por meio de exame clínico, ultrassonografia e mamografia, também pode ser necessário nessa faixa etária, sobretudo em mulheres com histórico familiar positivo para a doença. Já a partir dos 40 anos, a avaliação rotineira da mama passa a fazer parte do check-up feminino”, afirma a médica.
“Além desses cuidados, recomenda-se dar atenção especial à tireoide, glândula na região do pescoço que produz hormônios importantes para a saúde feminina. Destaca-se que o hipotireoidismo (diminuição da produção hormonal tireoidiana) tem prevalência aumentada em mulheres acima de 40 anos. Ainda em relação à tireoide, vale lembrar que a ocorrência do câncer dessa glândula é 30% maior em mulheres do que em homens e apresenta incidência crescente, estando entre os dez cânceres mais frequentes em mulheres”,  afirma a endocrinologista. E explica: “Recomendo que as mulheres fiquem atentas ao surgimento de nódulos no pescoço, em especial àqueles endurecidos e de crescimento rápido, e em casos de história familiar de câncer de tireoide.”
Com a chegada da menopausa, as chances de osteoporose são maiores e a realização periódica de exame para medir a densitometria óssea passa a ser importante na rotina da mulher”, afirma Yolanda Schrank.
 Também é importante lembrar que uma avaliação cardiológica nessa fase está bem indicada, mesmo na mulher assintomática, já que as alterações hormonais vivenciadas podem aumentar o risco de incidência de doenças cardiovasculares.
Por:
Fonte:Yolanda Shrank, endocrinologista e integrante do corpo clínico do laboratório Bronstein,

You May Also Like

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: